• PhishX

Ataques de ransomware: como lidar com as ameaças

Ataques de ransomware se tornaram um dos assuntos mais falados dos últimos meses. No mundo todo, organizações têm sido vítimas de grupos que roubam e sequestram informações utilizando softwares maliciosos em busca de pagamentos milionários.

Casos de corporações que tiveram suas operações comprometidas ligaram o alerta dentro das organizações. Com isso, podemos ver um crescimento no investimento nos times de segurança cibernética para lidar melhor com essas ameaças.

Como ataques ransomware afetam as organizações

Nos últimos anos, houve um aumento significativo de ameaças cibernéticas para as organizações. Explorando vulnerabilidades de sistemas e redes, e utilizando técnicas como phishing, criminosos têm se aproveitado para plantar softwares maliciosos conhecidos como ransomware para sequestrar e roubar informações, causando prejuízos milionários.

Mesmo adotando medidas de proteção, utilizando firewalls, antivírus e aplicando camadas para garantir sua segurança, as organizações ainda sofrem com suas vulnerabilidades. Vamos conhecer um pouco mais quais são as maneiras utilizadas por grupos hackers no mundo todo para extorquir vítimas e quais são as formas de se proteger.

Porta de entrada

Normalmente, esse tipo de crime virtual começa com formas conhecidas para invadir sistemas e sequestrar informações.

Infiltrando um software malicioso, projetado para criptografar arquivos em um dispositivo, grupos de hackers podem tornar inutilizável qualquer dado ou sistema que dependa deles. Bloqueando essas informações, exigem resgates milionários para normalizar os sistemas e devolver as informações.

O phishing é uma das técnicas utilizadas pelos criminosos para se infiltrar. Eles se passam por pessoas ou marcas conhecidas, compartilhando um link malicioso por e-mail, SMS, ou até mesmo por mensagens em aplicativos de mensagens e postagens nas redes sociais.

Além disso, exploram vulnerabilidades de sistemas e software para executar esses ataques. Dessa forma, buscam brechas em sites e lojas virtuais, podendo encontrar formas ainda mais bruscas para invadir qualquer tipo de sistema e acessar informações essenciais.

Quais são as consequências dos ataques ransomware


Uma vez que esses grupos têm acesso às informações, eles podem utilizá-las da forma que bem entenderem. Assim, podem extorquir as vítimas de diferentes formas, que vão além do bloqueio aos dados.

Como pagar o resgate não é uma garantia de que os dados e sistemas serão restaurados, organizações que contam com uma cópia de segurança das informações optam por não pagar. Porém, os criminosos ameaçam disponibilizar as informações publicamente, forçando o pagamento.

Vale lembrar que com as novas leis de privacidade e proteção de dados, as organizações também podem sofrer multas caso informações sensíveis sejam vazadas. Mesmo assim, o pagamento de resgates pode não ser a melhor opção, pois não traz garantias de que os dados não serão publicados.

Além dessas formas, os hackers podem comprometer a operação de sistemas e servidores, sobrecarregando-os para que fiquem fora do ar.

Mesmo sequestrando informações e paralisando operações, os invasores ainda podem informar clientes e investidores sobre o ataque, pedindo para que essas pessoas entrem em contato com a empresa atacada.

Como os grupos agem de maneiras distintas, eles podem extorquir as vítimas de formas diferentes. Além disso, essas técnicas não são utilizadas necessariamente em uma ordem.

Como as organizações podem se proteger?

Organizações governamentais internacionais focadas em segurança da informação compartilham frequentemente compartilham cartilhas de boas práticas para se proteger de um ataque de ransomware. Aqui, sugerimos alguns passos essenciais para garantir uma maior segurança contra esses ataques

Se onde você trabalha, ainda não existe um plano para recuperação em caso de incidentes, talvez esse seja um bom primeiro passo. Dessa forma, implementar um plano para lidar e traçar estratégias de recuperação de informações também é essencial.

Ter o controle do inventário de dispositivos, mantendo todos atualizados, também garante que os criminosos não explorem vulnerabilidades de sistemas desatualizados. Além disso, é essencial checar periodicamente os protocolos de segurança de sites e servidores.

Outra maneira de se proteger é demonstrar para as pessoas que os crimes cibernéticos estão presentes em diferentes mídias. Assim, é importante que todos os envolvidos estejam conscientizados sobre ameaças que podem abrir portas para invasores, evitando ataques de phishing.

Tornar o assunto da segurança digital algo mais próximo do cotidiano das pessoas é lidar com o elo mais estratégico da segurança da informação. E nós da PhishX podemos te ajudar nesse desafio.

Com treinamentos constantes, enviando simulações e comunicados por meio de diferentes plataformas de comunicação, as pessoas ficam mais atentas às ameaças. Isso faz com que mais uma porta se feche para os criminosos.


Pensando nessa questão, criamos um material abordando as melhores práticas dentro do tema Ransomware, aproveite! Cartilha de boas práticas.






72 visualizações0 comentário